Samsung apoia empreendimentos inovadores de base tecnológica

Samsung apoia empreendimentos inovadores de base tecnológica

Fruto de um programa internacional com foco na inovação e promoção do empreendedorismo, a cooperação entre Samsung, Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores) e CCEI (Centro Coreano de Economia Criativa e Inovação), além da incubadora/aceleradora selecionada Acelera MGTI, reúne os recursos essenciais para a aceleração de empreendimentos inovadores. A Acelera MGTI, única aceleradora mineira no Programa de Promoção da Economia Criativa da Samsung, já recebeu em suas instalações a startup BioSmart e vem atuando de forma que possa contribuir com o desenvolvimento de seu produto MovSmart, que monitora e melhora os treinos nos equipamentos de musculação, inovando ao fornecer automaticamente informações detalhadas e precisas sobre os exercícios executados, além de manter armazenado todo o histórico de evolução. A interação de uma grande empresa como a Samsung com as redes de inovação é um modelo reconhecido internacionalmente por sua capacidade de estabelecer sinergias, colaboração com startups e maximizar o potencial das tecnologias emergentes. “Nosso programa tem como objetivo o estímulo à inovação por meio de investimentos diretos para a criação e desenvolvimento de empreendimentos intensivos em Tecnologia e Economia Criativa no Brasil”, segundo o Analista Sênior de Open Innovation & Startups da Samsung, Paulo Quirino. Os recursos financeiros para esses investimentos são na ordem de US$ 5 milhões aplicados entre 2016 e 2021, com perspectiva de criar no território brasileiro pelo menos 50 empreendimentos inovadores de base tecnológica e contribuir para geração de empregos diretos e indiretos, aperfeiçoamento das ferramentas de instituições de suporte à inovação e ao empreendedorismo, no contexto do Sistema Nacional de Inovação, ampliando a dinâmica entre os provedores de recursos, a mentoria das incubadoras e o desenvolvimento de negócios...

GRUPO DE PESQUISADORES FRANCESES ESTUDA O ECOSSISTEMA DE STARTUPS NA ACELERA MGTI

Pesquisadores franceses estão, no Brasil, para coletarem informações sobre os desafios que as startups enfrentam no dia a dia para permanecerem atuando no mercado. Este projeto nomeado Smart Valleys iniciou, em 2016, na Ásia, e tem como principal objetivo estudar o ecossistema de startups de países emergentes a partir de entrevistas com empreendedores, representantes das incubadoras, aceleradoras e investidores. Belo Horizonte, São Paulo e Rio Grande do Sul estão no roteiro dos franceses. Eles já estiveram, na capital mineira, em fevereiro, e tiveram a oportunidade de conversarem com os empreendedores que estão participando do programa de aceleração e incubação na Acelera MGTI. “Gostamos muito da aceleradora, da infraestrutura e dos projetos das startups. É possível, inclusive, estabelecer parcerias entre a França e o Brasil”, completou o pesquisador, Clément Rousset. Saiba mais sobre o projeto Smart Valleys e acompanhe os próximos destinos dos franceses. Eles ainda estão, na América do Sul, e passarão pelo Uruguai, Argentina, Chile, Peru e Colômbia....