A nova onda das empresas fundadas por “ex-googlers”

É cada vez mais comum encontrar empreendedores que saíram da gigante do Vale do Silício para fundar a própria startup Nos Estados Unidos há um termo para se referir aos funcionários do Google: os googlers. Em 71 cidades espalhadas pelo mundo, de São Francisco a Tóquio, passando por São Paulo, existem mais de 72 000 deles. É gente que costuma ter orgulho da empresa onde trabalha e gosta das regalias sempre presentes nos locais de trabalho, como comida gratuita, dos salários acima da média do mercado e da autonomia para definir projetos. Para os jovens que desejam entrar no mercado de tecnologia, o Google é um dos lugares dos sonhos. No entanto, uma parte dos googlers desiste dessa vida. São engenheiros e executivos que largaram o conforto dos escritórios para empreender. Não existem dados oficiais a respeito, mas atualmente há pelo menos cinco dezenas de empresas nos Estados Unidos fundadas por ex-googlers. Em escala menor, a mesma tendência começa a ocorrer no Brasil. Diego Nogueira e Davi Reis, fundadores da WorldSense, startup com sede em Belo Horizonte, estavam na primeira turma de engenheiros contratados pelo Google no Brasil em 2005. Nogueira e Reis passaram quase dez anos trabalhando na companhia, aprimorando os sistemas de busca, de mapas e também o desenvolvimento de algoritmos para o software de publicidade. Em 2015, a dupla pediu demissão, fundou a própria empresa e criou uma ferramenta de propaganda online. A WorldSense faz o casamento entre, de um lado, os anunciantes e, de outro, blogs e sites de notícias em busca de publicidade. Com seu sistema, encontra palavras-chave do interesse dos anunciantes nos textos e coloca junto delas...